Review: 1.01 “Unauthorized Magic”

Magic is Real

Uma das novas apostas do canal Syfy teve sua estreia oficial nos EUA em 25/01 (o piloto já havia sido liberado em meados de dezembro) e, finalmente, teve sua sua estreia pela versão brasileira do canal no último dia 21/06. Mas sobre do que se trata a série de fantasia?

The Magicians adapta a série literária de mesmo nome (conhecida no Brasil por “Os Magos”), obra composta de 3 livros, escrita por Lev Grossman e popularmente conhecida como “Harry Potter para adultos”. Como o próprio nome sugere, a série aborda o mundo onde a magos existem.

Logo de início, conhecemos Quentin Coldwater (Jason Ralph), um jovem com problemas psiquiátricos, que tenta convencer sua médica que não precisa ficar internado e que é tão sociável que prefere ler uma saga de livros infantis à participar de uma festa em sua própria casa. Quentin está na fase de entrevistas para universidades e é em uma dessas entrevistas, para Yale, acompanhado de sua melhor amiga Julia (Stella Maeve), que o mundo começa a mudar para ambos. Fatores diferentes os conduzem para o processo de seleção da Brakebills University, a única universidade na América do Norte onde jovens com aptidão para a magia aprendem como usa-la. Após inúmeros testes, incluindo o uso prático de magia, Quentin é aprovado e aceita o convite para ser tornar um dos novos 20 alunos que a universidade irá receber imediatamente, enquanto Julia é desclassificada, tem sua memória apagada e é mandada de volta para casa. Adicione as primeiras aulas, um pouco de magia, o fato de Julia ainda lembrar de tudo e começar uma busca sobre esse novo universo, alguns novos personagens que provavelmente conheceremos melhor nos próximos episódios, uma tentativa de invocação, um final capaz de nos prender, misture tudo e deixe em fogo alto por 50 minutos. No final, teremos um episódio que apesar de seus problemas, consegue honrar bem a saga original.

Por ser uma série que envolve magia, é esperado que tenhamos efeitos especiais. Os poucos presentes no episódio agradam, principalmente se considerarmos que é uma série para a televisão e não um filme da Marvel. Como eu disse anteriormente, a série tem seus problemas e um deles é que apenas Eliot (Hale Appleman) veterano de Quentin e meio que seu mentor, consegue me convencer no papel, mas estamos vendo o piloto e tudo tende a melhorar conforme tivermos a oportunidade de conhecermos melhor cada um deles. Outro problema é que parece que Q (forma carinhosa que muitos chamam nosso protagonista) parece ter ser escolhido para alguma jornada épica, sendo vigiado a vida toda para tal feito, isso é observado em diálogos no começo do episódio e também nos sonhos que o jovem tem, enquanto dorme na biblioteca da universidade.

Se consideramos os pontos positivos e negativos, a balança vai tender para o lado positivo e isso nos motiva em continuar acompanhando essa série. Afinal, não recebemos nossa cartinha pra Hogwarts, mas talvez ainda podemos receber o convite pra seletiva da Brakebills.

Marcwz