Review: 1.04 “The World in the Walls”

Is Magic Real?

Começo esse texto com a mesma primeira frase apresentada no primeiro, mudando apenas a entonação. De uma afirmação, agora faço uma pergunta e é essa pergunta que norteia boa parte dos quase 50 minutos apresentados no episódio 1×04. A magia é real ou é apenas uma ilusão criada por mentes que precisavam fugir de uma realidade na qual todos nós estamos?

Começamos o episódio com Q acordando em um local que claramente não é seu dormitório na universidade e logo percebemos que ele ainda esta internado no hospital psiquiátrico apresentado no episódio piloto e ele esta ali pois acha que magia é real e que é um mago. O episódio nos leva a levantar várias dúvidas sobre a realidade de Brakebills, afinal todos os personagens que conhecemos estão ali, ou são pacientes ou fazem parte da equipe do hospital, a magia aparentemente não é real e por mais que Quentin tente, não consegue se livrar do local. Somos praticamente convencidos que aquele mundo é o real, até a Julia acidentalmente dar 2 pistas que Quentin está apenas sonhando e precisa acordar, nem que pra isso ele precise contar com a ajuda da Taylor Swift e mais uma vez de Fillory (está na hora da série explicar melhor essa parte do seu universo). Enquanto isso, na casa da Física, o corpo sem vida de Quentin é encontrado e a única forma de tentar fazer as coisas voltarem ao normal é desativando todas as proteções mágicas da universidade e conjurar uma entidade maligna que pode restaurar a normalidade, desde que o quase defunto queira realmente que tudo volto ao “normal”. Contudo, sem proteção, Brakebills pode ser localizada e invadida por qualquer pessoa ou entidade e o resultado da invasão pode ser péssimo para todos.

Para os que não conhecem os livros, esse episódio consegue fugir totalmente do material original e por incrível que parece, consegue ser melhor do que todos apresentados aqui este momento. É incrível o poder que a liberdade criativa fornece aos roteiristas. A ilusão de Quentin, a personalidade de cada paciente e funcionário do hospital, todo aquele universo falso foi tão bem roteirizado e construído na tela, que tenho certeza que convenceu todos que assistiram ao episódio e fez com que se lotassem de perguntas sobre o que estava acontecendo.

Alguns dias atrás eu disse que fugir dos livros poderia ser ótimo pra série, e nesse episódio tivemos a prova de que isso é verdade. Só torcemos para que a obra televisiva se mantenha fiel as idéias básicas do livro, se quiserem construir caminhos novos para chegar ao final e se os caminhos forem tão bons quanto foram até aqui, tenho certeza que não iremos nos decepcionar.

Marcwz